Portal do Governo Brasileiro

Paratletas brasileiros estreiam nos Jogos Mundiais Militares no tiro com arco e fazem história

 
Yencheon, 05/10/15 – A cada flecha, um momento marcante do esporte militar é construído na competição de tiro com arco dos Jogos Mundiais Militares na República da Coreia. Nesta segunda-feira (05/10), os sargentos do Exército Juan Ricardo Feindt Urrejola e Marcelo Pires de Azevedo abriram a participação dos paratletas brasileiros na 6ª edição do evento. É a primeira vez que os Jogos promovem competições de paradesporto.

"É uma quebra de paradigma, uma grande referência mundial, se você consegue fazer a inclusão dentro de uma área em que predominantemente a pessoa não pode ter deficiência para exercer sua função. Dentro do esporte você consegue fazer essa inclusão, é importantíssimo”, declara o sargento Juan, que também é professor de Educação Física.



O paradesporto faz parte da história do sargento Marcelo desde 2014, quando começou a competir na seleção brasileira de voleibol para portadores de deficiência. Ele acredita ter se adaptado bem ao novo esporte. “Quando a gente coloca Deus à frente as coisas e o Brasil acima de tudo, a gente se predispõe de coração e alma a defender nossa pátria a todo custo”, declara.

O chefe da equipe de tiro com arco do Brasil, capitão da Força Aérea Robson Luiz dos Santos Alves, explica que os paratletas brasileiros começaram agora sua trajetória no esporte. “Tiveram pouquíssimo tempo de treino. E acertar o alvo a 70 metros já é uma fase bastante interessante”, comenta. Para ele, a convivência com Marcelo e Juan tem trazido aprendizado para toda a equipe. “Estão sempre nos surpreendendo com tudo, seja nas palavras, na conversação, é uma superação a cada dia”, completa.

Tiro com arco era modalidade inédita para o Brasil

Essa é a primeira vez que a delegação brasileira compete nos Jogos Mundiais Militares na modalidade de tiro com arco. A Coreia é um país com destaque no esporte, acompanhada por China, Índia, Itália e França. Na equipe do Brasil, os sargentos da Força Aérea Bernardo Oliveira e Daniel Xavier integraram o time masculino que ganhou a medalha de bronze nos últimos Jogos Pan-americanos de Toronto. Uma mulher também representa o Brasil na equipe, a sargento da Força Aérea Sara Nikitin.



A segunda-feira no Campo Internacional de Tiro com Arco Jinho, em Yecheon, foi dedicada apenas à fase classificatória da competição. As disputas por medalhas dos paratletas serão realizadas na terça-feira (06/10), juntamente com os combates que definem quem segue na disputa nas categorias individual e por time. As demais medalhas são distribuídas até o dia 9.

O tiro com arco é disputado nos Jogos Mundiais Militares com arco recurvo, o mesmo utilizado nos Jogos Olímpicos. O alvo fica a 70 metros dos atiradores. Depois da primeira fase classificatória, começa a eliminatória. Os atletas são divididos em pares e quem tiver a melhor pontuação desclassifica o adversário.

Texto: Tenente Larissa Lima
Fotos: Felipe Barra
Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa
61 3312-4071

Saiba mais

Brasil nos JMM

Veja a evolução da participação dos atletas militares brasileiros desde a primeira edição, realizada em 1995, na Itália

Defesa e Esporte

Entenda a relação entre o esporte e as Forças Armadas e os caminhos que o Brasil traçou para ser uma potência esportiva militar

Mundial Militar

Entenda a importância dos Jogos Mundiais Militares, um evento que se tornou o terceiro maior evento esportivo do Mundo