Portal do Governo Brasileiro

Famílias dos atletas enviam boas energias do Brasil

Brasília, 05/10/2015 - São rotinas disciplinadas de treinos e competições. Nas malas, quase sempre prontas e nunca desfeitas, esses atletas levam todo material necessário para competir e não esquecem de colocar no bolso a foto dos seus familiares, que será o refúgio nostálgico durante quantos dias forem necessários ficar longe de casa.

Do outro lado, da parte de quem fica esperando, pai, mãe, irmão, namorado e amigos tentam encontrar consolo no cheiro do quarto quase sempre vazio, com a cama que teima em sempre está arrumada e nas orações diárias de torcida, bênçãos e proteção. 

“Antes, eu acompanhava mais de perto. Hoje como ela viaja muito, acompanho mais por telefone e redes sociais. Apesar dela já ser adulta, eu tenho minhas preocupações de mãe, estou sempre perguntando se levou o casaco, se já se alimentou, treinou e o que treinou. A gente está sempre em contato e quando é véspera de uma competição, ela sempre me liga. Temos isso combinado”, conta dona Maria Goretti, 60 anos, mãe de Yane Marques, que luta por uma medalha de ouro, na modalidade de Pentatlo Moderno.

Medalhistas experientes, novatos estreantes e sonhadores em busca de dois diferenciais: representar o Brasil e levar orgulho para sua família. “Em 2003, ela recebeu um convite para participar do pentatlo moderno. Ela me perguntou o que eu achava e, vendo que ofereceriam todo o suporte que ela necessitaria, eu a apoiei, já que nós não teríamos condições financeiras de fazer isso. Nesse mesmo ano ela já foi campeã”, lembra emocionada dona Maria Goretti.

A milhares de quilômetros do Brasil, 282 atletas representam o País nos 6º Jogos Mundiais Militares. É da República da Coreia que é realizada a ligação internacional para dar notícias em casa. “Estou muito orgulhosa por ela estar lá na Coreia. Não sei nem como agradecer a Deus tudo isso. As coisas são tão difíceis. Toda vez que falo com ela é motivo de felicidade em casa”, declara orgulhosa a mãe de Tatilaine Regina Valentim, do Pentatlo Naval, dona Luzinalva Antônia Valentim, 48 anos.

Da cidade grande ou do interior, não importa a logística situacional, o retorno será sempre para o mesmo lugar: a casa e os abraços de parentes e amigos. “Eu prefiro que ela venha com a medalha, mas mesmo que não venha, isso já é uma vitória e, também, vai ser comemorado”, complementa Luzinalva. 

A Defesa e o esporte

Todos os atletas que participam dos Jogos Mundiais Militares são integrantes do Programa Atletas de Alto Rendimento do Ministério da Defesa. Esse programa além de conceder materiais e estruturas de treinamento qualificado, integra os atletas ao corpo militar e lhes concede uma ajuda de custo. “O programa foi uma benção na nossa vida. Deu o suporte que a Yane precisava e agora ela se dedica, exclusivamente, aos treinos e ainda consegue ajudar em casa. Depois que ela entrou para o Exército, ela ficou muito mais tranquila, porque não precisa mais se preocupar com os materiais e os equipamentos necessários aos treinos. Ela agora só pensa em se aprimorar”, explica Maria Goretti.

Como todo militar, esses atletas também passaram pelo curso de formação e aprenderam sobre a hierarquia e a disciplina, além de treinarem. E treinam muito. “Ela ter entrado na Marinha foi uma grande surpresa pra mim. No começo fiquei preocupada quando me disse que tinha que mexer com armas, mas entendi que faz parte do treinamento e, então, me tranquilizei”, conta Luzinalva.

A torcida

Mesmo as 12 horas que separam atletas e familiares, não impede que a torcida esteja organizada. Pela internet, eles acompanham os Jogos Mundiais Militares e, na primeira oportunidade, entram em contato para parabenizar ou consolar quem acabou de competir. “A torcida está muito grande. Confiamos muito nela e na vontade de Deus. Ela é uma pessoa que tem grande capacidade, e nas vezes em que pensou em desistir ou desanimar, sempre incentivamos ela a continuar, porque nada vem fácil na vida”, torce Luzinalva. 

Por Tenente Fernanda Mendes /Marinha
Fotos Yane Marques: Felipe Barra / MD
Foto Tatilaine: arquivo pessoal

Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa
61 3312-4071

 

Saiba mais

Brasil nos JMM

Veja a evolução da participação dos atletas militares brasileiros desde a primeira edição, realizada em 1995, na Itália

Defesa e Esporte

Entenda a relação entre o esporte e as Forças Armadas e os caminhos que o Brasil traçou para ser uma potência esportiva militar

Mundial Militar

Entenda a importância dos Jogos Mundiais Militares, um evento que se tornou o terceiro maior evento esportivo do Mundo